A celebrações de Páscoa em relação ao judaísmo

Pão #01

✍🏼
Artigo
Por que católicos romanos e ortodoxos celebram a Páscoa em datas diferentes?

Durante os 300 primeiros anos da Era Cristã, no período entre a morte de Jesus Cristo e o Concílio de Nicéia, o Cristianismo permanecia tão somente como uma seita do judaísmo tal como os Fariseus, os Saduceus ou os Essênios (os cristãos eram inicialmente conhecidos como “Nazarenos”). Cristãos e judeus tinham muito em comum.

Os autores do Novo Testamento eram judeus, bem como os apóstolos e os primeiros discípulos. Ambos os grupos observavam o Shabbat, as mesmas festividades, e todos visitavam a Sinagoga. Até 135 (d.C.), todos os líderes da Igreja eram judeus. Até o Concílio de Nicéia, em 325 (a.D.), os cristãos e os judeus celebravam o Pesakh (Páscoa) no mesmo dia.

No entanto, os gentios (cristãos sem origem judaica) começaram a ver a necessidade de diferenciar o “seu” Pesakh do dos judeus. As igrejas concordaram em mover o dia da celebração do Pesakh, pois o significado da celebração da Páscoa judaica era diferente da dos cristãos. O assunto de como estabelecer a data de modo definitivo permaneceu, no entanto, em aberto. Até que, em 325 (a.D.), no Concilio de Nicéia, foi determinada a nova data.

Outra decisão deste Concílio de Nicéia consistiu na transferência do dia santo e de descanso semanal, de Sábado para Domingo. Antes do Cristianismo obter o reconhecimento oficial de Império Romano, judeus e cristãos tinham tradições e festejos em comum.

Hoje, nos países cristãos, o Domingo é considerado dia de descanso, enquanto que, para os Judeus, o Sábado permaneceu sempre o dia de repouso. Atualmente, em Israel, o fim-de-semana inclui a Sexta-Feira e o Sábado.

_
Autor:
Prof. Paulo Augusto Tamanini

_
Fonte:
Ekklesia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×